Quem é Xogum?

E assim dou o ponta pé inicial no nosso blog. Seja muito bem vindo(a) ao mundo de Xogum.

Meu nome é Valdir Ronis, cearense de 32 anos nascido na capital Fortaleza, morando no interior de São Paulo, bem mais precisamente em São José do Rio Preto, ou, como o povo daqui prefere, apenas Rio Preto.

Comecei no mundo dos vídeos em meados de 2009, no YouTube, e por lá fiquei até 2011, quando conheci o Justin.tv (atual Twitch), e finalmente me tornei streamer.

Claro que naquela época ainda nem usava essa nomenclatura, pois não me sentia nesse nível. Possuía uma conexão com a internet horrível, disponibilizada pelo Velox (atual Oi Velox), e com isso a imagem da minha stream não era muito boa. Pra piorar minha situação, meu computador naquele tempo nem placa de vídeo tinha. Mas tudo bem, não desisti.

Porém tudo tem um limite, ou quase isso, pois tive que abandonar tudo e focar no trabalho. A gente cresce e precisa pagar contas e mais contas, e decisões devem ser tomadas. Diferente de hoje, stream não dava dinheiro. Não tinha streamlabs, streamelements, loots, essas coisas, era por amor mesmo.

Mas não me afastei 100% das streams, pois em alguns finais de semana, eu sentava a frente do PC, abria um jogo indie ou emulador do Super Nintendo e ia jogar ao vivo. Sempre foi minha paixão.

Conhecer novas pessoas, diverti-las, sempre foi o meu foco, pois nunca joguei bem. Sou uma especie nova de humorista, ou quase isso, que faz piada cometendo erros em jogos (não que eu queira). A espontaneidade com que as coisas acontecem é que torna o erro engraçado.

Em 2014 retornei a Twitch (não mais Justin.tv) com mais frequência. Conheci novos streamers, comunidades e fiz grandes amigos, que até hoje conto com eles nos momentos difíceis. E foi nesse ano em que realmente as coisas pareciam ser diferentes, pensei. Mas ai vem as contas pra pagar se acumulando, e foi ai que tive que mais uma vez focar em produzir, trabalhar, trabalhar e trabalhar, offline, fora do que mais amo. E assim foi o ano de 2015 quase que inteiro. Pra não dizer que não fiz live naquele ano, fiz uma no natal e na virada do ano.

Então chegou 2016, conheci a Jessica “Jinxnossaura” (minha noiva/futura esposa), criei um novo canal, pois pra mim o nome do canal influencia bastante em ser conhecido ou não, apesar que tem casa nome bem ruim ai fazendo sucesso, mas enfim, comecei a focar e a separar forçadamente um horário pra stream, intercalando entre trabalho e jogos. Esse canal chegou aos 500+ seguidores e fomos um dos primeiros a se tornar afiliados da Twitch no Brasil.

As coisas estavam indo bem, comprei uma placa de vídeo, pentes de memoria novos, até consegui parceria com uma distribuidora de jogos, parecia que dessa vez meu canal ia deslanchar e eu finalmente seria reconhecido. Mas nem tudo é como a gente quer.

Meu PC simplesmente morreu de uma hora pra outra. Eu não tinha dinheiro pra comprar um novo ou arrumar aquele, nem meus próximos podiam me ajudar. Porém não desisti. Eu trabalhei dobrado, minha avó e minha mãe vendo o quanto eu queria aquilo também me ajudaram, todo mundo da minha família acabou estendendo a mão para que eu continuasse meu sonho, e finalmente no final do ano de 2017 comprei meu atual computador.

Quando voltei, encontrei um problema. Boa parte dos meu antigos viewers não estavam mais ativos. Motivos devem existir muitos, e ainda tem o fato de que perdi alguns seguidores, nem todo mundo me seguia em outras redes sociais, então faltou essa comunicação de que eu estava com problemas e não poderia streamar. Minha média de viewers caiu dramaticamente. Fiquei triste, pensei até em realmente, depois de todos esses anos de luta, desistir de tudo.

Antes de desistir eu tinha que tentar uma coisa. Mudar de novo e recomeçar.

Criei um novo canal e realmente as coisas começaram a voltar ao normal. Não 100% igual, pois com esse não cheguei a ficar igual ao antigo. Cheguei a quase 250 seguidores e uma média de 5, 6 viewers por live.

2019 chegou e novos planos também. Em março, mais precisamente no dia 28, me mudei pra perto da Jinxnossaura, trocando as praias e o calor do Fortaleza por São José do Rio Preto e seu clima bi-tri-poli-polar. Não tive muitos problemas na mudança. Meu PC chegou inteiro, já tinha um apartamento me esperando com internet, mas nem tudo é como a gente quer. Eu não tinha mobília.

Por um tempo fiz lives sentado na mala ( ͡° ͜ʖ ͡°) e cometi um erro grave. Não, não foi quebrar a mala, aliás, também.

O erro foi ter tentado, sem forças, recomeçar a live na Mixer. Sim, eu fui pra Mixer. Mas diferente da maioria que foi na mesma época, eu não tinha tempo pra fazer parcerias, e fazer sorteios. Nem dinheiro eu tinha pra isso. Quem conseguiu uma parceria pra sortear algo conseguiu parceria e tudo mais, mas eu só consegui o desagrado de quem me assistia na Twitch e a solidão na Mixer.

Outra coisa que me levou ao fundo do poço foi a falta de consistência nas lives.

O fato de trabalhar longe de casa e chegar muito cansado fazia com que eu muitas vezes nem cogitasse a abrir uma live. Eu muitas vezes pensei: “ah, tô cansado e não vai dar ninguém mesmo”. Claro que não seria dessa forma.

Por fim, saí do meu antigo emprego que ficava na Cochinchina e consegui um bem próximo ao meu lar, e mais uma vez eu recomeço, dessa vez no lar onde tudo começou (já que a Twitch é a Justin.tv).

Obrigado por ler até aqui. Beijos e fica na paz!